Seminário sobre sofrimento mental e trabalho em Enfermagem percorre MS

Publicado por: - há 6 meses

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) participa do Seminário “Sofrimento mental e organização do trabalho em Enfermagem”, promovido pelo Coren-MS. O evento percorre as cidades de Campo Grande, Corumbá, Aquidauana e Dourados neste “Janeiro Branco“, mês que promove a Saúde Mental.

Doutora em Enfermagem pela USP e professora de Enfermagem Psiquiátrica, Dorisdaia Humerez palestrou nos seminários, que tiveram início na segunda-feira e se encerram hoje (01/02), com o evento em Dourados. Os seminários contaram, ainda, com a participação do psicólogo Renisson Araújo, e do capelão Edilson dos Reis, coordenador do o Curso de Prevenção ao Suicídio da UFMS.

Coordenadora da Câmara Técnica de Ensino e Pesquisa (CTEP/Cofen), a professora Dorisdaia Humerez palestrou nos seminários

Na linha de frente do atendimento, os profissionais de Enfermagem enfrentam situações de estresse. Apenas 29% dos profissionais de Enfermagem se sentem seguros em seus ambientes de trabalho, segundo dados da Pesquisa Perfil da Enfermagem (Cofen/Fiocruz). A pressão e a sobrecarga, com jornada exaustiva, voltaram à discussão nacional com casos recentes de suicídio de profissionais. O cansaço exagerado, pensamentos autodestrutivos, tristeza e ansiedade são sinais de alerta para a busca de auxílio. “Um gesto de cuidado pode fazer a diferença”, explica Dorisdaia.

Além de campanhas focadas na Saúde Mental, o Cofen apoia iniciativas como o Dia Nacional de Lutas em Defesa da Vida. No Congresso, o Cofen articula com outras entidades profissionais Projetos de Lei que regulamentam a jornada e estabelecem condições dignas de descanso nos plantões.

Presidente do Coren, Sebatião Duarte, participou do evento

Articulação Regional – O presidente do Coren-MS, Sebastião Duarte, alertou sobre as situações adversas que têm levado muitos profissionais ao adoecimento mental no estado. “As autoridades devem ter consciência que a enfermagem é a categoria mais numerosa da área da saúde e lida com muitas situações adversas. O excesso de trabalho e as más condições a que estão expostos deixam essas pessoas doentes. Como consequência, temos um número grande de absenteísmo e depressão, que podem acarretar em suicídios”.

Sebastião Duarte destaca a importância da articulação dos gestores da área da saúde e políticos para conquistas como a regulamentação da jornada e reconfiguração do trabalho em Enfermagem. “Algumas figuras da política, como os vereadores e enfermeiros Hederson Fritz (PSD) e Cida do Amaral (PROS), além dos sindicatos da categoria, tem nos ajudado. Conseguimos a redução da jornada de trabalho para 30 horas nas UPAs, SAMU e Rede de Urgência e Emergência, mas as outras repartições ainda não tiveram essa redução. Precisamos de mais ajuda de atores políticos do âmbito municipal e estadual. ”.

O presidente do Coren-MS destaca também a promessa de mais contratações feita pelo prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD), após reunião ocorrida no mês de dezembro de 2018. O presidente do Coren-MS lamentou sobre a disparidade existente entre o número de profissionais ideal e o atual. “A defasagem de funcionários é muito grande. Em uma das instituições de saúde que fiscalizamos recentemente, observamos que haviam 9 técnicos de enfermagem em um local que deveria ter 20. Essa situação é frustrante pois a nossa categoria tem mais de 23 mil profissionais no Estado”.

Fonte: Ascom - Cofen e Coren-MS

TAGS: cofen

Comentários (0)

Acompanhe o Enfermagem e Saúde