Técnicas Instrumentais para o Exame Físico

20/07/2011

A primeira etapa do processo de enfermagem é o exame físico ou coleta de informações. O exame físico, um exame sistemático das estruturas do corpo, constitui um dos métodos para a coleta de dados de saúde.

OBJETVOS:

  • Levantamento das condições globais do paciente;

  • Aprender a buscar informações significativas para a enfermagem que possam subsidiar a assistência a ser prestada ao paciente;

  • Avaliar a condição física do paciente;

  • Detectar os primeiros sinais de problemas de saúde em desenvolvimento;

  • Estabelecer uma base de dados para futuras comparações;

  • Avaliar as reações às intervenções médicas e de enfermagem;

O exame físico compreende a inspeção, a palpação, a percussão, a ausculta, o olfato e o uso de alguns instrumentos e aparelhos simples.

INSPEÇÃO: É a exploração feita usando-se o sentido da visão. A inspeção ode ser panorâmica ou localizada. Pode ser feita a olho nu ou com o auxilio de uma lupa. Para uma boa técnica da inspeção recomenda-se dispor de iluminação adequada, descobrir a região a ser inspecionada e ter em mente as características normais da área em questão.

Existem duas maneiras fundamentais para se fazer a inspeção:

Inspeção Frontal: Olhando-se frontalmente a região a ser examinada.

Inspeção Tangencial: Observando-se a região tangencialmente. Esta é a maneira correta para se pesquisar movimentos mínimos na superfície corporal, tais como pulsações ou ondulações e equenos abaulamentos ou depressões.

A inspeção começa durante a anamnese, desde o primeiro momento em que se encontra com o paciente, e continua durante todo o exame físico.

PALPAÇÃO: recolhe dados através do tato e da pressão. Por intermédio da palpação percebem-se modficações de textura, espessura, consistência, sensibilidade, volume, dureza, além da percepção de frêmito, reconhecimento de flutuação, elasticidade, verificação da presença de edema e outros.

Este procedimento apresenta inúmeras variantes que podem ser sistematizadas da seguinte maneira:

  1. Palpação com a mão espalmada, usando-se toda a palma de uma ou de ambas as mãos.

  2. Palpação com uma das mãos superpondo-se à outra.

  3. Palpação com a mão espalmada, usando-se apenas as polpas digitais e a parte ventral dos dedos.

  4. Palpação com a borda da mão.

  5. Palpação usando-se o polegar e o indicador formando uma “pinça”.

  6. Palpação com o dorso dos dedos da mão.

  7. Digitopressão, realizada com a polpa do polegar ou indicador.

  8. Puntipressão que consiste em comprimir com um objeto pontiagudo um ponto do corpo.

  9. Vitropressão, feita com a ajda de uma lâmina de vidro que é comprimida contra a pele, analisando-se a área através da própria lâmina.

  10. Fricção com algodão.

  11. Palpação bimanual.

PERCUSSÃO: se baseia no seguinte princípio: ao se golpear um ponto qualquer do organismo, originam-se vibrações que têm características próprias quanto a intensidade, timbre e tonalidade, na dependência da estrutura anatômica percutida.

A técnica da percussão é realizada pela percussão direta, pela percussão dígito-digtal, pela punho-percussão, a percussão com a borda da mão e a percussão tipo piparote.

A percussão direta é realizada golpeando-se diretamente com as pontas dos dedos a região-alvo.

A percussão dígito-digtal se executa golpeando com a borda ungeal do dedo médio da mão direita a superfície dorsal da segunda falange do dedo médio ou o indicador da outra mão. O dedo que golpeia designa-se plexor, e o que recebe o golpe é o plexímetro.

Punho-percussão: mantendo-se a mão fechada, golpeia-se com a borda cubital a região em estudo e averigua-se se a manobra desperta sensação dolorosa.

Percussão com a borda da mão: os dedos ficam estendidos e unidos, golpeando-se a região desejada com a borda ulnar, procurando ver alguma sensação dolorosa.

Percussão por piparote: com uma das mãos o examinador golpeia o abdome com piparotes, enquanto a outra, espalmada na região contralateral, procura captar ondas líquidas chocando-se contra a parede abdominal.

Tipos de sons obtidos à percussão:

  • Som maciço;

  • Som submaciço;

  • Som timpânico;

  • Som claro pulmonar;

  1. Som maciço é o que obtém ao erctr regiões desprovidas de ar.

  2. Som submaciço constitui uma variação do som maciço; a presença de ar em quantidade restrita lhe dá característica peculiar.

  3. Som timpânico é o que se consegue percutindo sobre áreas que contenha ar, recoberta por uma menbrana flexível.

  4. Som claro ulmonar é o que se obtém quando se golpeia o tórax normal.

AUSCULTA: É a técnica de levantamento de dados físicos que envolve escutar os sons. Geralmente os sons são auscultados através do uso de um aparelho conhecido como estetoscópio.

INSTRUMENTOS E APARELHOS NECESSÁRIOS PARA O EXAME FÍSICO:

  • Balança;

  • Haste milimetrada para medir altura;

  • Fita métrica;

  • Abaixador de língua;

  • Lanterna;

  • Martelo de reflexos;

  • Lápis dermográfico;

  • Estetoscópio;

  • Aparelho de pressão;

  • Termômetro clínico;

  • Lupa;

  • Agulha e algodão;

  • Oftalmoscópio;

  • Otoscópio;