PRIMEIROS SOCORROS: Acidente Vascular Encefálico - AVE​

Publicado por: - 30 dias

AVE – Acidente vascular encefálico – também conhecido como AVC e derrame cerebral, ocorre quando existe a interrupção da oferta de oxigênio e nutrientes ou o entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo em um território do cérebro, cerebelo ou tronco cerebral.​

Essa interrupção pode ocorrer devido a um entupimento, que é o AVE isquêmico, ou rompimento de um vaso, caso do AVE hemorrágico. ​

FATORES RELACIONADOS​

Obesidade;​
Colesterol elevado;​
Sedentarismo;​
Hipertensão;​
Problemas cardíacos;​
Diabetes;​
O uso de álcool e outras drogas;​
Tabagismo, ​
Estresse;​
Uso de anticoncepcionais, etc.​

SINAIS E SINTOMAS​

Cefaleia (Dor de cabeça) súbita e intensa sem causa aparente; ​
Tontura e desequilíbrio, podendo vir associado a náuseas ou vômitos;​
Fraqueza muscular, dificuldade de se levantar da cama ou da cadeira, por exemplo; Repentina dificuldade para andar;​
Visão embaçada;  Perda súbita de visão em um olho ou nos dois olhos;​
Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo; Dormência numa parte do corpo ou em uma metade do corpo; (Paralisia unilateral ou bilateral do corpo, ou seja, metade ou o corpo todo fica paralisado);​

Sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo;​
Alteração da fala; incluindo dificuldade para articular, expressar ou para compreender a linguagem; (Fala enrolada); ​
Pode haver convulsões;​
Rebaixamento da consciência e dos níveis psicológicos e intelectuais;​
Outros.​

​Os sinais e sintomas do AVE podem aparecer isolados ou em conjunto. Sendo o fator que irá determinar isso será o local lesado no cérebro.​

SUSPEITA DE AVE​

Em primeiro lugar, é necessário ter consciência que a pessoa está sofrendo um AVE:​

Geralmente a pessoa fica tonta, perde o equilíbrio e tende a cair.​
Inicia uma fala embolada e incompreensível.​
Ao sorrir, mexe apenas um lado do rosto.​
Não consegue desenvolver atividades simples como levantar os dois braços ao mesmo tempo ou caminhar normalmente.​
Relata fraqueza nas pernas e nos braços.​

COMO IDENTIFICAR SE É AVE?​

Para conseguir identificar se o paciente está tendo um AVE pode-se pedir para:​

Sorrir – neste caso o paciente pode apresentar a face ou apenas a boca torta, sendo que um dos lados do lábio permanece caído;​
Levantar um braço – é comum que o indivíduo não consiga levantar o braço devido à falta de força, não sendo capaz de o levantar ou levantando muito pouco em relação ao outro, parecendo que está transportando algo muito pesado;​
Dizer uma frase pequena – no caso de um AVE, o paciente apresentar fala arrastada, imperceptível ou ter um tom de voz muito baixo. Por exemplo, pode-se pedir para repetir a frase: “O céu é azul” ou pedir para dizer uma frase de uma música.​

Se o individuo apresentar alguma alteração após dar estas ordens é possível que tenha tido um AVE.​

Além disso, é normal que o indivíduo apresente outros sintomas como dormência de um lado do corpo, dificuldade em ficar em pé, podendo mesmo cair devido à falta de força dos músculos e pode urinar na roupa, não se apercebendo.​

Em alguns casos, o paciente pode apresentar confusão mental, não compreendo ordens muito simples como abrir os olhos ou pegar numa caneta, além de poder ter dificuldade em enxergar e ter dores de cabeça muito forte.​

CONFIRMOU?​

Se a pessoa que sofreu o AVE estiver:​

Consciente – colocar o indivíduo em posição confortável. Neste caso, é importante explicar à vítima que vai ao hospital para recuperar, procurando mantê-la calma, conversando sempre com ela. ​​
Inconsciente e respirando – colocar o indivíduo em posição lateral de segurança até chegar a ajuda.​
Inconsciente e não respira – iniciar a massagem cardíaca (RCP) para aumentar as chances de sobrevivência.​

PRIMEIROS SOCORROS​

Os primeiros socorros para AVE podem evitar sequelas graves, como ficar paralisado ou não falar e, em alguns casos, podem permanecer para toda a vida, diminuindo a qualidade de vida do paciente.​

Por isso, é importante socorrer o indivíduo que está tendo um AVE o mais rápido possível para evitar sequelas.​

Primeiros socorros:​

Chamar imediatamente uma ambulância, ligando para o número 192 (SAMU) ou 193 (bombeiros) – (o ideal é encaminhar essa pessoa para o hospital o mais rápido possível);​
Verificar se a vítima está respirando;​
Sentir se o coração está batendo (verificar pulso central - carótida).​

Uma característica fundamental do AVE é a sua instalação súbita, e a cada minuto perdido poderá fazer diferença lá na frente, na hora da recuperação, uma vez que quanto maior é o dano cerebral, maiores são as sequelas.​


Os danos de um AVE são consideravelmente maiores quando o atendimento demora mais de três horas para ser iniciado. ​

Inclusive, no caso de AVE isquêmico, o médico pode dar ao paciente um medicamento antitrombótico chamado alteplase, que deve ser aplicado em até quatro horas e meia após o início dos sintomas. Esse medicamento diminui em 30% o risco de sequelas do AVE isquêmico e em 18% a mortalidade.​

NÃO FAZER!​

Não fornecer ao paciente vítima de AVE pílula de AAS (ácido acetilsalicílico).​


*Ele só traria algum benefício para pessoas que sofreram um AVE isquêmico. Nos casos de AVE hemorrágico, o ácido acetilsalicílico pode piorar ainda mais o sangramento, agravando o quadro.​

CONFIRMAÇÃO DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO HOSPITAL​

Através de tomografia computadorizada (TC). Caso observe alguma irregularidade, recorre-se à RM.​
Ressonância Magnética (RM).​
Análise das carótidas, artéria que leva o sangue até o cérebro. Geralmente, as placas ateroscleróticas que desprendem ateromas e causam o problema, estão situadas na carótida.​
Exame de sangue para dosagem de lipídios, sais minerais e enzimas que marcam lesão celular. ​

TRATAMENTO​

Pode ser feito através do uso de medicamentos contra coagulação do sangue (antiplaquetários), anticoagulantes e para controlar a pressão arterial e, em alguns casos, a cirurgia é indicada para a retirada do coágulo.​

Para a reabilitação do paciente é importante fazer fisioterapia para fortalecer os músculos, diminuir as contrações e melhorar a coordenação motora.​

A longo prazo, o tratamento profilático é feito com ácido acetilsalicílico, o conhecido AAS e outros que desempenham a mesma função: evitar a formação de novas placas.​

TAGS: AVC

Comentários (0)

Acompanhe o Enfermagem e Saúde