"Anthrax" ou Carbúnculo

Publicado por: - há 2 anos

DESCRIÇÃO: é uma toxiinfecção aguda que em geral ataca a pele e raramente o nasofaringe, viasrespiratórias inferiores, mediastino e vias intestinais. A forma cutânea se manifesta inicialmentepor prurido na pele exposta ao agente seguido do aperecimento de lesões confluentes: pápulas,pústulas, vesículas e úlceras indolores que em dois a seis dias transformam-se em escaras escuras.Os locais mais freqüentes da infecção são cabeça e mãos. Quando não tratada dissemina-separa os linfonodos regionais e para a corrente sangüínea, e conseqüentemente pode ocorrersepticemia. A letalidade da forma cutânea sem tratamento pode atingir 5 a 20%. A formarespiratória, via de regra, é letal. Os sintomas iniciais são mínimos e inespecíficos e assemelhamsea uma infecção comum das vias respiratórias superiores mas após três a cinco dias aparecemos sintomas agudos de insuficiência respiratória, sinais radiológicos de alargamento mediastínico,febre, choque e logo depois morte. A forma intestinal, adquirida por ingestão de carnecontaminada, é rara e mais difícil de ser identificada, exceto quando existe vínculoepidemiológico. Caracteriza-se por mal-estar abdominal, vômitos, febre, que evolui para diarréiasanguinolenta, abdome agudo, sinais de septicemia e morte. A enfermidade primáriabucofaríngea é rara, e quando ocorre, manifesta-se por lesão de mucosa na cavidade oral ou daorofaringe, acompanhada de adenopatia cervical, edema e febre.

SINONÍMIA: anthrax, carbúnculo. Na língua inglesa é conhecido como anthrax. No Brasil, aconfluência de furuncúlos, que é um diagnóstico clínico diferencial da toxiinfecção causada peloBacillus anthracis, tanto é denominada como cárbunculo como antraz. Na vigência destafurunculose multifocal a suspeita de infecção pelo Bacillus anthracis, deve ser levantada quandohá história epidemiológica compatível.

ETIOLOGIA: Bacillus anthracis, bacilo móvel, gram positivo, encapsulado, formador de esporos.

RESERVATÓRIO: animais herbívoros, domésticos e selvagens. Os esporos resistem viáveis emsolos contaminados e em couros secos.

MODO DE TRANSMISSÃO: contato da pele, inalação ou ingestão de esporos existentes em tecidos ouobjetos contaminados - lã, couro, osso e pelo - de animais (bois, ovelhas, cabras, cavalos). Aventa-sea possibilidade de transmissão por insetos que tenham se alimentado dos ditos animais. Contatocom solo contaminado. A transmissão direta de um indivíduo infectado para uma pessoa sadia émuito pouco provável de ocorrer.

PERÍODO DE INCUBAÇÃO: de 24 horas a sete dias.

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE: quando a contaminação se dá por objetos e solos contaminadospor esporos, estes permanecem infectantes por décadas.

COMPLICAÇÕES: pneumonia, hemorragia gastro-intestinal, septicemia, meningites.

DIAGNÓSTICO: clínico-epidemiológico e laboratorial. Este último é feito mediante isolamentodo Bacillus anthracis no sangue, lesões, secreções, ou tecidos (histopatologia). Pode-se aindadetectar anticorpos no sangue pela técnica de imunofluorescência.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: furunculose cutânea causada por Staphylococcus e ou Streptococcus,dermatite pustulosa contagiosa (enfermidade vírica de Orf).

TRATAMENTO: para os casos confirmados com cepas do Bacillus anthracis sensíveis à amoxicilina, estaé a droga de escolha, sendo a dose para adultos de 500mg, VO, 3 vezes ao dia e para crianças commenos de 20kg, usar 40mg/kg/dia, VO dividida em três doses diárias. Pode-se utilizar tambémdoxiciclina como segunda escolha. Para cepas resistentes utiliza-se a ciprofloxacina por via oral nadose de 500mg, duas vezes ao dia para adultos e em crianças menores de 20kg, 20 a 30mg/kg pordia, dividida em duas doses diárias. O esquema utilizado deve ser mantido por 60 dias. Avaliarindicação de utilização desta droga por via parenteral.

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS: o homem é um hospedeiro acidental e a incidência é muitobaixa e geralmente esporádica em quase todo o mundo. É um risco ocupacional de trabalhadoresque manipulam herbívoros e seus produtos. Tem casos registrados na América do Sul e Central,Ásia e África. Recentemente ocorreram casos nos Estados Unidos da América que tem sidoimputados a guerra biológica.

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA: diagnóstico e tratamento precoce dos casos paraevitar complicações e óbitos. Identificação da fonte de infecção para adoção de medidas decontrole e desinfecção concorrente. Não há indicação de Isolamento dos casos.

NOTIFICAÇÃO: evento inusitado de notificação compulsória imediata.

DEFINIÇÃO DE CASO

⇒ SUSPEITO: um caso compatível com a descrição clínica ou que tenha exposição a algummaterial, ou animal ou produtos animais contaminados pelo B. anthracis.

⇒ CONFIRMADO: a) indivíduo com infecção pelo B. anthracis confirmada laboratorialmente; b)indivíduo com exposição a algum material, ou animal ou produtos animais contaminadospelo B. anthracis e quadro clínico compatível.

MEDIDAS DE CONTROLE: a vacina humana só produz imunidade após 18 meses da aplicação. Nos EUA a vacina humana é utilizada somente em grupos especiais e não está disponível no Brasil.A quimioprofilaxia não está indicada de modo indiscriminado por ser ineficaz e poder gerarresistência medicamentosa. Administra-se só em situações específicas onde tenha ocorrido umaexposição de risco. É iniciada enquanto são aguardados os resultados finais confirmatórios, nas seguintes situações: a) exposição com elevado grau de suspeição; b) detecção de presença de bactérias morfologicamente semelhantes ao B. anthracys. Utiliza-se: a) amoxicilina na dose de 500mg, três vezes ao dia, para adultos e 40mg/kg/dia para crianças com menos de 20kg, dividida em três doses diárias; b) ou doxociclina 100mg/2 vezes ao dia, em adultos, para crianças com menos de 20kg, 5mg/kg/dia, divididas em duas doses diárias; c) em casos de resistência aosantibióticos anteriores a droga indicada é a ciprofloxacina por via oral na dose de 500mg, duasvezes ao dia para adultos e em crianças menores de 20kg, 20 a 30mg/kg por dia, dividida emduas doses diárias. O esquema utilizado deve ser mantido por 60 dias.

TAGS: ANTHRAX

Comentários (0)

Acompanhe o Enfermagem e Saúde