Entenda como funciona o procedimento de diálise

Publicado por: - há mais de 8 anos

Quando os rins deixam de realizar sua função, filtrar e eliminar substâncias tóxicas do corpo, é indicada a diálise. Pessoas que tem 50% ou mais dessa função renal preservada não precisam desse tratamento e podem levar uma vida normal. Segundo o médico nefrologista e presidente da Fundação Pró-Rim de Joinville, Hercilio da Luz, pacientes com problemas crônicos no rim e baixa função renal tem que realizar tratamento, do contrário terão poucas chances de sobrevivência.

Hercilio explica que cerca de 60% dos problemas renais ocorrem em função da diabetes e hipertensão. No entanto, outras doenças podem causar problemas renais. “A glomerulonefrite, que é uma doença autoimune, os cálculos renais e infecções também levam à perda do rim”, explica.

Segundo o nefrologista, os pacientes que tem condições clínicas devem entrar na lista de transplante. “Caso tenha boa saúde é melhor realizar um transplante de rim do que permanecer em hemodiálise”, comenta.

Tipos de diálise – Existe a diálise peritoneal e a hemodiálise. Na diálise peritoneal o sangue é filtrado e fluidos excedentes removidos através de um dos filtros naturais do próprio corpo, a membrana peritoneal. Essa membrana é o revestimento que circunda o peritôneo, ou cavidade abdominal, que contém seu estômago, baço, fígado e intestinos. Para que ocorra essa diálise é introduzido um cateter no abdômen do paciente. O SUS disponibiliza um aparelho para que os pacientes realizem o procedimento em casa, com o auxílio de alguém que o faça com cuidado e assepsia.

Já a hemodiálise é o tipo mais comum de diálise. Cerca de 93% das pessoas que tratam problemas renais recorrem a este procedimento. Atualmente, cerca de 86 mil pacientes realizam tratamentos de diálise pelo SUS. Nela, o sangue é filtrado em uma máquina que controla a velocidade, a pressão do filtro e o volume de sangue, funcionando como um rim artificial, retirando as toxinas e devolvendo o sangue limpo. Uma pessoa adulta tem aproximadamente 5 litros de sangue e esse volume é filtrado diversas vezes durante a hemodiálise. Em 2012 foram realizadas 12 milhões de sessões pela rede pública.

Hemodiálise, a máquina da vida - O aposentado José Santana de Joinville faz hemodiálise há 30 anos. Ele nunca soube que tinha hipertensão arterial e só descobriu quando estava em estado grave, aos 26 anos e já havia perdido a função renal. Desde então o aposentado realiza a hemodiálise e cuida bem da alimentação. Ele nunca faltou às datas marcadas para o tratamento, nem quando precisou viajar.

“Faço o tratamento três vezes por semana e fico umas quatro horas no local, o tratamento é lento, mas é bom para mim. Se faltar é complicado demais”, conta. Para ele a vida é um desafio, cada sessão de hemodiálise é uma vitória. “Sem ajuda da máquina talvez eu e muitas pessoas não estivéssemos mais aqui”, conta.

Apesar de já ter se aposentado, José resolveu escrever um livro contando sua história de vida após o problema renal. A publicação se chama “Lutar sempre, desistir jamais” e deve ser lançada ao final desse ano.

Francisco Matos, de Fortaleza, também faz hemodiálise. Ele sofreu um acidente de ônibus em 1991 que trouxe sequelas para todo o seu sistema urinário, comprometendo a função dos rins e da bexiga. Há dois anos, três vezes por semana ele faz sessões de hemodiálise. Francisco busca formas de se distrair para melhorar seu dia durante as sessões. “Leio um jornal ou vejo televisão para passar o tempo. Acabei me acostumando, a máquina de hemodiálise é meu novo rim”, diz. Seguindo recomendação dos médicos, ele faz exames de sangue e acompanhamento mensal para que não ocorra nenhum outro tipo de problema em seu organismo.

Investimento – Neste ano o Ministério da Saúde já destinou aproximadamente R$ 111 milhões, financiados peloFundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC), para a melhoria dos serviços de hemodiálise do Sistema Único de Saúde. De todo o recurso repassado para assistência em urgência e alta complexidade, segundo portarias publicadas na semana passada, R$ 72,7 milhões serão destinados ao custeio de nefrologia, hemodiálise e outros procedimentos relacionados. Pelo Brasil, 689 centros estão habilitados para assistência às pessoas com doenças nos rins, pela rede pública.

 

Fonte: Ministério da Saúde

TAGS:

Comentários (0)

Acompanhe o Enfermagem e Saúde